Sociologia - vol 2 - 3º ano


Caderno do Aluno
ensino médio 3º série
volume 2 

Sociologia

     SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1

     FORMAS DE PARTICIPAÇÃO POPULAR NA HISTÓRIA DO
     BRASIL

Páginas 3- 4
1.
 Imagem 1: voto                           Imagem2 : abaixo-assinado

 Imagem 3: assembleia                     Imagem 4: manifestação



2. Todas são formas de participação política em uma sociedade democrática e
expressam a vontade, os ideais e os objetivos da população, e podem contribuir para
mudanças na maneira como a cidade é organizada ou é governada.




Páginas 5 - 8

        A pesquisa visa aprofundar o conhecimento e a reflexão a respeito desses
movimentos de defesa de interesses de grupos sociais particulares, reivindicação de
direitos e integração de minorias no conjunto da sociedade em condições de igualdade.
Espera-se que o aluno aborde os seguintes aspectos: nome do evento, data, local e
contexto em que ocorreu; circunstâncias que levaram ao acontecimento; quais eram os
objetivos dos diferentes grupos que participaram do episódio e suas lideranças; que
tipos de diálogo e/ou interlocução puderam ser observados entre representantes de
grupos divergentes a fim de firmar acordos e tratados de cooperação mútua; descrição
sucinta dos desenvolvimentos em termos da mobilização das facções em defesa de
territórios, bens, membros dos grupos, ideias e objetivos; análise e conclusão dos
resultados do episódio.




O conflito pela terra
                                                                          
Página 9
1.

              Atores sociais                      Papel político nos movimentos
                                                            históricos
                                              A utilização do trabalho escravo, tanto do
                Escravos
                                              indígena quanto do negro africano, teve um
                                              profundo impacto nas relações sociais no
                                              Brasil. As populações que viviam sob esse
                                              regime sofreram a opressão do trabalho
                                              compulsório, dos maus-tratos, da tortura, dos
                                              castigos, das doenças e do extermínio.
                                              Muitos escravos procuraram livrar-se da
                                              condição de cativos, refugiando-se em
                                              comunidades (quilombos) onde buscavam
                                              preservar certa autonomia, criando estilos de
                                              vida e cultura próprios, produzindo alimentos
                                              e comerciando com outras comunidades
                                              vizinhas, ou rebelaram-se no interior das
                                              próprias fazendas, negociando melhores
                                              condições de vida com seus senhores. A
                                              participação de escravos negros e de negros
                                              fugidos nas diversas revoltas populares nesse
                                              período tinha como objetivo a libertação dos
                                              escravos, a liberdade de cultos religiosos, o
                                              uso da terra e a luta contra os desmandos das
                                              autoridades.
                                              Nessa categoria estão compreendidos os
           Homens livres pobres
                                              pequenos proprietários, homens brancos sem
                                              terra e sem trabalho, pequenos comerciantes,
                                              artesãos, trabalhadores rurais. Submetidos
                                              aos grandes proprietários rurais e donos do
                                              poder local, eram vítimas da sua ganância e
                                              opressão, sem participar dos processos de
                                              decisão política. Essa população, nas várias
                                              revoltas, tinha o objetivo de lutar contra os
                                              desmandos e abusos das autoridades locais,
                                              pela posse e uso da terra, pelo direito de
                                              exercício de atividades comerciais, de
                                              extração de minério e contra mudanças
                                              introduzidas pelo governo, como no caso do
                                              Censo e do registro civil de nascimentos e
                                              óbitos ou no sistema de pesos e medidas.
                                                 As relações de poder no século XIX e início
                  Coronéis
                                                 do século XX eram extremamente desiguais.
                                                 A luta política era intensa e violenta. O que
                                                 estava em jogo não era o exercício de um
                                                 direito de cidadão, mas o domínio político
                                                 local. O chefe político local, também
                                                 conhecido como “coronel”, não podia perder
                                                 poder: a derrota representava o desprestígio e
                                                 a perda de controle de cargos públicos, como
                                                 os de delegados de polícia, juiz municipal e
                                                 postos na Guarda Nacional, por exemplo.
                                                 Assim, a manutenção das relações de
                                                 dependência entre chefes locais e seus
                                                 “clientes”, geralmente os segmentos da
                                                 população mais pobre, garantia-lhes os votos
                                                 necessários nas eleições legislativas para o
                                                 Senado e para a Câmara dos Deputados
                                                 durante    o     período     da    Monarquia
                                                 Constitucional,    perpetuando     assim     a
                                                 manutenção do poder das oligarquias rurais.




Página 10
1. Disputas pela posse de territórios, pelo direito à exploração de recursos, uso da terra,
   extração de minérios, especialmente o ouro, e também de exercer atividades
   comerciais, vendendo e usufruindo livremente do lucro obtido com a
   comercialização da sua produção, revolta contra o aprisionamento e a escravização
   de índios e negros africanos, cobrança de impostos pelo governo, abuso de poder das
   autoridades e opressão das oligarquias rurais sobre a população mais pobre, que vivia
   do trabalho da terra.
2. Essas rebeliões se assemelham por terem sido de forte caráter popular e, na maior
   parte das vezes, por terem contado com a participação de vários grupos dos setores
   mais pobres da população, como populações ribeirinhas, homens livres, mestiços,
   negros de ganho e escravos, sertanejos, entre outros. Porém diferem pelas
   motivações e circunstâncias que levaram aos acontecimentos. Durante o Primeiro
   Reinado tiveram um caráter fortemente oposicionista aos governos locais e, muitas
   vezes, o seu objetivo era o de tomar o poder e tornar a província ou região
   independente do Brasil. Já a partir de 1850, ocorreram revoltas contra medidas
  adotadas pelo governo que interferiam na vida da população de forma considerada
  ilegítima. Esse foi o entendimento em relação à interferência do Estado nas funções
  tradicionalmente atribuídas à Igreja (secularização) e na mudança do sistema de
  pesos e medidas, que transformaram a comercialização dos produtos então vigente. A
  partir da instauração da República, os movimentos populares tiveram como
  principais características a luta pela terra, a oposição ao poder dos coronéis e das
  empresas exploradoras das regiões em disputa e a força da religiosidade popular, que
  mobilizou as populações em torno de suas crenças contra as forças do governo
  arregimentadas para combatê-las.

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2

OS MOVIMENTOS OPERÁRIO E SINDICAL E PELA TERRA


Página 12
1. Aqui as respostas serão as mais variadas, dependendo da experiência de cada aluno,
   com base nas referências de familiares e de amigos e do que ouvem e leem nos meios
   de comunicação de massa.
2. A resposta a esta questão pode revelar o desconhecimento do aluno a respeito das
   funções do sindicato e expressar mais visões negativas do que positivas. A definição
   encontrada no dicionário pode ser o ponto de partida para a resposta, mas a ênfase
   deve ser posta no papel de representação dos interesses econômicos e políticos de
   trabalhadores e empresários. No que se refere especificamente à classe operária, é
   importante apontar o papel do sindicato nas lutas pelos direitos sociais, trabalhistas e
   de representação política.




Páginas 13 - 15

            Tendências políticas                                 Características
                                                   Eram os setores menos agressivos, mais
         “Amarelos” ou reformistas
                                                   próximos do governo. Ainda que buscassem
                                                   a melhoria das condições de trabalho e de
                                                   vida para os trabalhadores, não se opunham à
                                                   ordem estabelecida, mantendo, assim, uma
                                                   relação       “clientelista”     com      seus
                                                   empregadores.
                                                   Constituíam os setores mais radicais, que
                  Anarquistas
                                                   rejeitavam qualquer relação com o Estado e
                                                   com a política, bem como com os partidos, o
                                                   Congresso e mesmo com a ideia de pátria.
                                                   Para os anarquistas, o Estado ou qualquer
                                                   outra instituição autoritária hierarquicamente
                                                   superior eram considerados dispensáveis e
                                                   até mesmo nocivos para o estabelecimento
                                                   de uma comunidade humana autêntica.
                                                   Portanto, também eram contra qualquer
                                                   forma de organização ou dominação   
                                                  patronal.
                                                  Menos radicais que os anarquistas e
                 Socialistas
                                                  comunistas, acreditavam que podiam fazer
                                                  avançar os interesses da classe operária por
                                                  meio da luta política, ou seja, da conquista e
                                                  do exercício dos direitos políticos.
                                                  Organizados       oficialmente    em     1922,
                 Comunistas
                                                  defendiam a tomada do poder por meio da
                                                  revolução. A causa operária dos comunistas
                                                  era lutar contra o sistema capitalista,
                                                  substituindo o controle do Estado pelo
                                                  partido, centralizado e hierarquizado, até que
                                                  pudesse ser criada uma sociedade sem
                                                  classes, onde a propriedade privada seria
                                                  abolida e os meios de produção seriam de
                                                  todos. Desse modo, o Estado se tornaria
                                                  desnecessário e posteriormente deixaria de
                                                  existir.




Página 15

   Como o exercício é livre, a avaliação deverá considerar se todas as etapas foram
contempladas, as fontes consultadas, a correção gramatical e lógica do texto.


Os movimentos dos trabalhadores rurais

Páginas 22 -24
1. A resposta vai depender da experiência dos alunos, seja em decorrência de relatos de
seus familiares, amigos ou vizinhos, seja pela leitura de jornais e revistas ou audiência
de rádio ou televisão.
2. Dependendo da região em que a escola estiver localizada, os alunos poderão ter um
conhecimento maior a respeito do MST, em virtude da atuação de seus militantes na
organização de ocupações ou assentamentos.
3. As opiniões poderão ser favoráveis ou desfavoráveis, porém é importante dar um
retorno da correção para os alunos, trabalhando os estereótipos e preconceitos com
objetividade, mostrando que não se trata de julgar o MST segundo interesses
determinados, mas entender a questão que está por trás dos movimentos dos
trabalhadores rurais: a luta pela reforma agrária e a organização dos trabalhadores rurais
só adquirem sentido se as situarmos no contexto da política fundiária brasileira,
responsável pela concentração de terra nas mãos de grandes proprietários e a expulsão
dos trabalhadores rurais. Privados da terra de trabalho, esses homens pobres do campo
perdem as condições de sobrevivência e de uma vida digna para si e sua família.




Páginas 24 - 26
1.
     •   República Velha:
     a) Período de grande participação política de operários nos dois principais centros
     urbanos do Brasil e formação dos primeiros sindicatos.
     b) Apesar da obstrução direta e violenta de empregadores por meio da polícia,
     ainda havia pouca interferência do Estado no direito de associação e organização dos
     trabalhadores, que puderam fazer muitas greves entre 1901-1920.
     c) As principais legislações a beneficiar os trabalhadores foram a indenização por
     acidentes, férias remuneradas por 15 dias e o Código de Menores.
     Era Vargas:
     a) Aumenta a participação política da classe trabalhadora com a formação de
     partidos políticos e a multiplicação de sindicatos de diversas categorias profissionais.
     b) Com a intervenção e o controle do Estado, o sindicato deixa de ser um órgão de
     luta, reivindicações e mobilização política e passa a ser um espaço de negociação
     “pacífica” entre empregadores e empregados, estritamente regulados pelo governo e
     seus técnicos.
     c) Criação do Ministério do Trabalho, da Indústria e do Comércio e dos primeiros
     Institutos de Previdência Social; aprovação da Consolidação das Leis do Trabalho.

  •   Era Nacional-Desenvolvimentista:
  a) Foi o período de maior mobilização das lideranças sindicais e partidárias que
  representavam o operariado industrial e os trabalhadores, até mesmo rurais. A
  participação política contou inclusive com os estudantes e a Igreja Católica.
  b) Empresários liberais e grandes proprietários rurais, juntamente com setores
  militares nacionalistas, contrários à política populista, reagiram negativamente à
  mobilização dos sindicatos, reprimindo as greves e manifestações, procurando conter
  os movimentos de demanda social.
  c) O movimento sindical mantinha-se mais voltado para o jogo político partidário,
  atrelando com isso o sindicato à política nacional-desenvolvimentista e afastando-se
  dos interesses imediatos dos trabalhadores que diziam respeito às suas condições de
  trabalho e de vida. Dessa maneira, reforçava as suas relações com o Estado populista
  e fortalecia a estrutura sindical corporativa; poucas mudanças foram feitas, exceto
  pelo Estatuto do Trabalhador Rural.
  •   Ditadura Militar:
  a) No final da era militar, houve grande participação política e mobilização por
  parte do novo movimento sindical e do operariado dos setores mais modernos da
  indústria, especialmente em São Paulo, no final dos anos 1970.
  b) A mobilização foi duramente reprimida com o uso da força policial e a prisão
  das lideranças. A forte reação da sociedade civil, aliada à proposta do governo militar
  de uma “abertura lenta, gradual e segura”, favoreceu a formação de partidos e a
  fundação de centrais sindicais.
  c) Ocorreu, também, a unificação do sistema de previdência social com a inclusão
  dos trabalhadores rurais, autônomos e domésticos ao sistema.
2. Romper com o chamado “peleguismo” e renovar a estrutura sindical, buscando a
  autonomia diante do Estado e dos partidos políticos, a liberdade sindical, a
  interlocução direta entre empregadores e operários com a intermediação do sindicato
  e a organização no local de trabalho.


 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3

 O MOVIMENTO FEMINISTA


Página 28
1. Durante muito tempo acreditou-se que homens e mulheres agiam de forma diferente,
   pois teriam naturezas diferentes. Hoje existe uma compreensão de que, se os homens
   são biologicamente diferentes das mulheres, isso não significa que a mulher seja
   menos capaz que os homens para realizar qualquer atividade. Ambos devem ter
   igualdade de direitos.
2. A resposta deve evidenciar a compreensão a respeito da questão da historicidade da
   condição feminina, ou seja, que o sentido do que significa ser mulher variou ao longo
   da história. Na época das avós e das mães dos alunos o comportamento das mulheres
   e a relação entre homens e mulheres era diferente. As mulheres tinham uma posição
   mais dependente, devendo se encarregar apenas das tarefas domésticas, enquanto os
   homens se dedicavam à vida pública. A subordinação da mulher ao homem era vista
   como natural e as mulheres não gozavam de direitos que eram garantidos aos
   homens.




Página 29

   A relação entre homens e mulheres mudou ao longo do tempo e ocorre
diferentemente de acordo com as sociedades. Assim, ser homem e ser mulher é o
resultado de fatores sociais, culturais e históricos. O texto mostra que em sociedades
tribais, como na Gália e na Germânia, as mulheres tinham atuação semelhante às dos
homens: faziam guerra, construíam suas casas, ocupavam-se da agricultura e do gado
etc. Mesmo nos primeiros séculos da Idade Média, as mulheres contavam com a
proteção de leis, tendo, por exemplo, o direito de sucessão e de propriedade garantidos.


Páginas 30 - 31
a) Ideologia: conjunto de ideias que serve para legitimar o poder de um grupo sobre o
   outro.
b) Âmbito doméstico: refere-se ao mundo da casa.
c) Alijado: pode significar desobrigar-se, desonerar-se, desencarregar-se, desembaraçar-
   se. Aqui aparece no sentido de afastado.
d) Subalterna: é aquela que está abaixo de algo, submetida ao poder do outro.
e) Assimetria sexual: diferenciação nas relações de poder entre pessoas de diferentes
   sexos.
f) Reducionismo biológico: o reducionismo biológico acredita que todas as
   diferenciações existentes entre grupos e no interior de um mesmo grupo são fruto de
   diferenças biológicas. Ele deixa de lado o fato de que a maior parte das diferenças
   entre os seres humanos resulta de aprendizados diferentes, ou seja, de processos de
   socialização diferentes, e não de diferenças biológicas.
g) Outros termos que você destacou: resposta livre, dependendo do grau de
   compreensão e do vocabulário do aluno. O dicionário deve ser utilizado.




Páginas 31 - 32

   A Constituição de 1988 representa uma das mais tolerantes legislações sobre família,
na medida em que igualou os direitos civis das mulheres aos dos homens, atribuindo-
lhes os mesmos direitos na sociedade conjugal, permitindo o reconhecimento das uniões
estáveis como entidade familiar e garantindo o reconhecimento de filhos nascidos fora
do casamento legal.

Exercício

Páginas 32 - 33
              Nesse ano passou a vigorar o primeiro Código Civil da República. Ele subordinava a
    1916
              mulher ao homem, tanto é que, depois de casada, ela deveria pedir autorização do
              marido para: a) trabalhar; b) realizar transações financeiras; c) fixar residência. Por
              esse código a não virgindade da mulher era motivo para a anulação do casamento e
              a filha que mantivesse relações sexuais antes do matrimônio poderia ser deserdada.
              O Estado do Rio Grande do Norte foi o primeiro a permitir o direito ao voto para as
    1927
              mulheres.
              Todas as mulheres do país adquirem o direito de votar.
    1932
              Com o Estatuto Civil da Mulher Casada, a mulher passou a ser vista como
    1962
              “colaboradora” do marido e, assim, seus direitos foram ampliados, pois passou a ser
              necessária a autorização de ambos os cônjuges para dar fiança, vender bens imóveis,
              oferecer bens e realizar hipotecas. Com o Estatuto, o concubinato passou a ser visto
              como sociedade de fato e as mulheres que haviam sido concubinas, ou seja,
              moraram junto com um homem sem terem se casado com o mesmo, passaram a ter
              direito à mesma pensão, caso tivessem se casado.
              Ano Internacional da Mulher.
    1975
              Passa a vigorar a Lei do Divórcio, que estabeleceu a possibilidade de fim da
    1977
              sociedade, ou seja, homens e mulheres passaram a poder se separar e a poder
              contrair novo matrimônio. Ela também facilitou o reconhecimento dos filhos
              nascidos fora do casamento.
              O Brasil assina a convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação
    1984
              contra a mulher.
              Surge a primeira Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM (SP).
    1985
              Só nesse ano é que homens e mulheres foram totalmente igualados em diretos civis.
    1988
              Pela primeira vez uma mulher foi eleita governadora: Roseana Sarney, pelo Estado
    1994
              do Maranhão.




Página 34

   A pesquisa pode ser a respeito dessas três mulheres ou de outras que forem
escolhidas em consultas feitas pelos alunos. O trabalho é livre, com o objetivo de
despertar no aluno o gosto pela pesquisa e fortalecer a capacidade de leitura e análise de
outros textos, mas pode ser avaliado levando-se em consideração as fontes consultadas,
a correção gramatical e a lógica do texto.

Páginas 34 - 35
1. Durante muito tempo acreditou-se que homens e mulheres agiam de forma diferente,
   pois teriam naturezas diferentes que não poderiam ser alteradas. Os homens
   acreditaram e fizeram as mulheres acreditar que, como eles eram diferentes
   biologicamente, com corpos diferentes, os homens seriam superiores às mulheres e
   que isso sempre tinha sido assim. Hoje, sabe-se que, biologicamente, os homens são
   diferentes das mulheres por uma série de fatores. Entretanto, também se acredita que
   isso não tem relação alguma com a capacidade para desempenhar qualquer atividade,
   e que ambos devem ter igualdade de direitos. Portanto, a forma de agir de homens e
   mulheres não é natural, mas fruto de fatores sociais, culturais e históricos.
2. Não, a luta das mulheres por direitos iguais não foi uma luta fácil e rápida. Trata-se,
   na verdade, de um longo processo, ainda não totalmente terminado, marcado por
   dificuldades e marginalizações daquelas mulheres que assumiam a luta pela
   igualdade de direitos sociais e políticos. Além disso, a luta das mulheres por
   cidadania não foi uma luta que uniu todas as mulheres numa mesma causa, em todos
   os momentos. Existiam duas correntes dentro do feminismo: as mulheres
   pertencentes à burguesia lutavam mais por direitos políticos e as pertencentes às
   classes trabalhadoras, por direitos trabalhistas. É por isso que, durante muito tempo,
   o que existiu não foi o feminismo enquanto um movimento que luta pela alteração
   das relações entre homens e mulheres, mas, sim, movimentos de mulheres. Ou seja,
   as ideias e as práticas feministas nunca foram homogêneas, nem no Brasil nem em
   outros lugares.
3. A Constituição de 1988 garantiu a igualdade de direitos civis às mulheres, tanto na
   vida pública quanto na privada. Assim, homens e mulheres passaram a ter os mesmos
   direitos na sociedade conjugal; o conceito de família foi alterado, com o
   reconhecimento da união estável entre homem e mulher como uma entidade familiar;
   foi garantido o direito dos filhos nascidos fora do casamento legal.


SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4

MOVIMENTOS POPULARES URBANOS



Página 38

   A questão tem como objetivo fazer o aluno dirigir o olhar para o bairro e a cidade em
que vive, apontando os problemas que afetam a vida de seus moradores. Trata-se,
portanto, de recuperar a sua experiência de vida no contexto urbano.

1. Pretende-se, com essa pergunta, estimular o aluno a apresentar soluções para os
   problemas relatados e elaborar uma reflexão crítica a respeito das condições de vida
   na cidade. Provavelmente os alunos atribuirão responsabilidades aos governantes,
   individualizando a solução desses problemas.
2. Espera-se que o aluno seja capaz de compreender a importância da participação dos
   indivíduos na resolução dos problemas de sua cidade. O objetivo dessa questão é
   fazer o aluno perceber a cidade como algo que envolve a sua vida e o seu cotidiano e,
   além disso, levá-lo a “descobrir” que os problemas urbanos são problemas coletivos
   e sua resolução também deve ser coletiva.




Página 39
1. Trata-se de verificar o conhecimento do aluno a respeito dos fatores que propiciam o
   aumento do número de favelas e sobre as condições de vida dessa população. Deve-
   se estar atento para o fato de que alguns dos alunos possam morar em favela, ou que
   ocorram manifestações de preconceito.
2. Atraídas pelo crescimento econômico nas décadas de 1950 até 1970, populações
   trabalhadoras migraram para as cidades da Região Sudeste em busca de emprego,
   instalando-se em terrenos que não deveriam ser ocupados. A falta de acesso à
   moradia levou essas populações a ocupar terrenos com risco geotécnico (íngremes,
   com risco de deslizamento, ou alagamento, por exemplo), áreas de preservação
   (como áreas de mananciais e reservas florestais) e áreas não favorecidas pelo
     mercado imobiliário, por não possuírem infraestrutura urbana. Como consequência,
     essas novas áreas urbanas decorrentes desse crescimento são carentes em
     infraestrutura, especialmente saneamento básico.


O desenvolvimento dos movimentos populares urbanos

Páginas 40 - 41
1. O objetivo dessa questão é, principalmente, fazer o aluno entender a reação dos
     moradores diante da ameaça de remoção de uma favela, tendo-se em conta os fatores
     que levam ao surgimento das favelas.
2. A pergunta visa estimular o aluno a se colocar na situação do outro, mas ele pode
     expressar tanto uma visão conformista, quanto de resistência ao processo de remoção
     de favelas.
3.

                                                  Formação de Comitês Democráticos
       Final dos anos 1940 e década de 1950
                                                  Populares, organizados nos loteamentos
                                                  periféricos, pelo Partido Comunista, com a
                                                  função de sentir os problemas e as
                                                  demandas locais e encaminhá-las ao poder
                                                  público. Esses comitês buscavam identificar
                                                  e priorizar os problemas da periferia da
                                                  cidade. Desses comitês nasceram as
                                                  Sociedades Amigos de Bairro.

                                                  Em São Paulo, a repressão militar teve
          Ditadura militar (1964 a 1985)
                                                  como alvo principal o movimento operário e
                                                  os sindicatos. Impossibilitados de se
                                                  expressar politicamente por meio das
                                                  entidades sindicais e dos partidos políticos,
                                                  esses militantes, na década de 70, voltaram-
                                                  se para o bairro, as favelas, a periferia,
                                                  como novos locais de luta e como espaços
                                                  marcados por sérias contradições. O bairro
                                                  passa a ser visto como um espaço portador
                                                  de conflitos, de experiências e modos de
                                                  vida que seriam importantes para a
                                                  articulação dos movimentos urbanos nessa
                                                  conjuntura. Também foi no bairro, enquanto
                                                  espaço de luta, que a experiência construída
                                                  nas atividades da Igreja Católica nas
                                                  Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) se
                                         encontrava com a experiência sindical e
                                         com outras tantas práticas sociais e políticas
                                         que deram vida ativa aos movimentos
                                         urbanos. Durante os anos de repressão, as
                                         CEBs se tornaram uma das poucas
                                         alternativas de organização popular, nas
                                         quais as pessoas se reuniam para discutir
                                         sua vida cotidiana, seus valores, suas
                                         necessidades e seus posicionamentos
                                         políticos. Esses movimentos funcionavam
                                         como um grupo de pressão junto ao poder
                                         público e ao sistema de representação
                                         política municipal, reivindicando melhorias
                                         da infraestrutura, como calçamento, água,
                                         luz elétrica, esgoto, remoção de lixões, e
                                         ampliação da rede escolar.
                                         A década de 1980 foi marcada por
 Reabertura democrática (1985 em diante)
                                         profundas agitações sociais e políticas. Se
                                         os movimentos sindicais entram nessa
                                         conjuntura como vanguarda por meio das
                                         greves operárias a partir de 1978, os
                                         movimentos sociais urbanos vieram na
                                         esteira de uma série de outros movimentos
                                         que passaram a ser denominados, na década
                                         de 1980, os novos movimentos sociais.
                                         Animados        nas     campanhas         pela
                                         redemocratização, esses novos movimentos
                                         sociais ampliavam as possibilidades de
                                         participação social e política das camadas
                                         sociais         mais         desfavorecidas.
                                         Consequentemente, então, trouxeram para o
                                         discurso político o tema da exclusão social.
                                         Essa questão, que atravessou a década de
                                         1990 por meio de inúmeras políticas
                                         públicas urbanas, ainda não foi resolvida.

Página 41

   A avaliação desse exercício deve levar em conta a compreensão do aluno a respeito
da discussão e dos textos lidos, a capacidade de observação da realidade que o cerca,
bem como a coerência na construção dos argumentos que justificam as suas opiniões e
propostas de soluções e projetos. Evidentemente, deve ser valorizado o esforço de
pesquisa das ações de organizações ou grupos de moradores empenhados na resolução
dos problemas urbanos.

  SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5

  NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS: NEGRO, GLBT (GAYS,
  LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS) E
  AMBIENTALISTAS




Páginas 43 - 45

   Se o aluno não conhece a música indicada, deve procurar ouvi-la e escrever em seu
caderno os trechos indicados pelo professor.

1. A população negra no Brasil sofre as consequências de uma distribuição de renda
   injusta que dificulta o acesso à educação, ao emprego, a melhores salários, a
   condições de vida digna.
2. Porque a igualdade de direitos só existe no papel, não conseguindo ainda a sua
   efetivação concreta. O autor aponta o preconceito racial como responsável pela
   discriminação social do negro.
3. Porque o número de negros em papéis de destaque na televisão ainda é muito
   pequeno e, quando aparecem, é sempre em posições subalternas, que enfatizam o seu
   passado de escravo.




Páginas 45 - 46
   •    José do Patrocínio teve papel importante junto aos movimentos abolicionistas e
   de libertação, tendo sido o fundador da Sociedade Brasileira contra a Escravidão e
   participado da Confederação Abolicionista.
   •    André Rebouças também foi um militante importante do movimento
   abolicionista, ao lado de José do Patrocínio, lutando pelo fim da escravidão no
   Brasil.
   •    Abdias Nascimento tem tido importante participação nos movimentos de
   integração do negro na sociedade brasileira, tendo assumido posições importantes
   também em movimentos mundiais. Exerceu cargos públicos, como secretário de 
   Estado do Governo do Rio de Janeiro, senador da República e deputado federal, com
   propostas de legislação antirracista e voltadas para a defesa da população negra. Foi
   fundador do Teatro Experimental do Negro e do Ipeafro.


Movimento GLBT

Página 47

   O maior exemplo é o da Parada do Orgulho Gay, que mobiliza centenas de milhares
de participantes e tem recebido o apoio popular e garantido maior visibilidade para o
movimento GLBT. Mas a participação política pode se dar, também, por meio de
manifestações artísticas, como a música (de protesto, o rap), a literatura, o cinema, o
teatro, as charges ou a malhação de bonecos em Sábado de Aleluia, com suas críticas
políticas.




Página 47

   Uma das mais importantes reivindicações do movimento GLBT diz respeito ao
reconhecimento da união homoafetiva, ou seja, o reconhecimento das uniões civis de
pessoas do mesmo sexo. Apesar de existirem vários casais homossexuais, essas uniões
não desfrutam de direitos como a comunhão parcial de bens, o direito à herança, a abrir
contas conjuntas, enfim, ter os mesmos direitos garantidos aos casais heterossexuais.

   A luta pela criminalização da homofobia visa estabelecer punições para todas as
formas de rejeição ou expressão de preconceito contra homossexuais que os
discriminam em locais públicos e no trabalho, chegando até mesmo a atos de violência.
Esta luta liga-se ao mesmo princípio jurídico que criminaliza o racismo e significa
também a tentativa de obter o reconhecimento jurídico da condição social de
homossexual.

Páginas 48 - 50

   A avaliação do trabalho deve levar em conta: se todas as informações solicitadas
foram dadas; a forma de apresentação delas nos painéis; a clareza na exposição dos
resultados da pesquisa para os colegas.

        Trabalho de livre escolha. O aluno deve registrar corretamente as informações
transmitidas pelos colegas.




Página 50

   O processo de industrialização propiciou o aumento do bem-estar para uma camada
grande da população. Entretanto, esse bem-estar liga-se a um maior consumo e, com
ele, a uma produção cada vez maior de resíduos e à utilização mais intensa de recursos
naturais, que não são ilimitados. A atividade humana de transformação da natureza,
gera, portanto, riquezas, mas traz consigo o risco que ameaça a sobrevivência no
planeta.




Página 51

   O que está em jogo é, antes de mais nada, uma questão política, que envolve as
nações mais poderosas e os movimentos ambientalistas. Os EUA se recusaram a assinar
o Protocolo de Kyoto, alegando razões econômicas, e dificultaram, assim, a sua
implementação. A pressão e os protestos ambientalistas têm conseguido organizar
vários eventos internacionais, que, entretanto, esbarram na resistência de alguns países.

O movimento ambientalista (parte 2)

Página 53

   Chico Mendes foi uma liderança importante dos seringueiros e do movimento
ambientalista na Amazônia. Sua luta em favor da reforma agrária e pelos interesses da
população que tira seu sustento da Floresta Amazônica teve repercussão internacional.
Em consequência dessa luta, foi assassinado por fazendeiros.




Página 53

   A escolha do tema é livre, mas podem ser lembradas as questões referentes à
Amazônia e à Mata Atlântica, como o desmatamento, as queimadas, a extração de
madeira, e as que estão mais próximas e que afetam a vida dos moradores das cidades,
como a poluição do ar, o problema do lixo, a contaminação das águas, entre outros.
Podem ser sugeridos, também, temas relacionados com a preservação da vida animal.
Na avaliação devem ser observados os recursos utilizados, a apresentação estética e se a
intenção educativa do painel foi atingida.




Página 54

   Trata-se de uma atividade livre que incentiva a criatividade musical dos alunos. A
música deve expressar as reivindicações de um dos movimentos.