História - vol 4 - 1º ano


Caderno do Aluno
ensino médio 1º série
História


SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1

RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO E FORMADAS
MONARQUIAS NACIONAIS

Para começo de conversa

Página 3

Ao discutir a produção dos alunos, você pode observar que, para o contexto de

constituição das Monarquias Nacionais, os fatores estudados – centralização do poder,

busca de unificação territorial, leis comuns etc. – ajudam a definir o próprio conceito de

Nação. Muitos desses fatores, ainda hoje, caracterizam o que entendemos por Nação;

contudo, no mundo contemporâneo, existem poucas monarquias. O conceito de Nação,

hoje, apesar de se assentar em referenciais ligados a valores comuns nacionais, como

língua, cultura, território e povo, tem implicado uma problematização maior das

experiências humanas, no sentido de valorizar as diferentes variações cronológicas e

espaciais (sotaques, dialetos, hábitos alimentares etc.), contrapondo a unidade à

pluralidade. A Nação não é mais entendida como um todo uniforme, mas constituída de

indivíduos com diferentes tradições, práticas e experiências agrupados em um mesmo

território, sob um mesmo estatuto jurídico e político.

Páginas 3 - 5

1. Entre os séculos XI e XV, a Europa ocidental passou por diversas transformações

políticas e sociais. Ao resultado dessas transformações convencionou-se chamar de

Renascimento Comercial e Urbano. O aumento populacional, o desenvolvimento da

agricultura e a intensificação e organização das trocas comerciais estão na base

dessas mudanças, que também exerceram grande influência nas novas organizações

espaciais e no modo de vida das pessoas. No âmbito político, paralelamente a essas

transformações e em grande medida como desdobramento delas, ocorre a formação

1

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

das monarquias nacionais e a centralização do poder monárquico. Espera-se que,

nesta atividade, os alunos contemplem aspectos relacionados a esse conteúdo.

a) Guildas: associações de mercadores que formavam corporações segundo o

ofício exercido (alfaiates, sapateiros, tecelões, vinagreiros, ferreiros). O objetivo das

guildas era promover a organização profissional e o controle da produção e evitar a

concorrência.

b) Hansas: cidades mercantis/associações de mercadores que controlavam trechos

e localidades de comércio.

c) Liga Hanseática: liga que reunia diversas hansas do Norte da Europa e

controlava as comunicações e o comércio entre os mares do Norte e Báltico.

1a imagem – vista da cidade alemã de Nuremberg, densamente construída e rodeada

por imponentes muralhas e torres. Avistam-se o castelo imperial e suas torres. A

gravura transmite a ideia de prosperidade e segurança de Nuremberg. Identifique o

Rio Pegnitz, que corta a cidade;

Essas informações são aquelas que, provavelmente, os alunos vão destacar nas

descrições que realizarem. Caso você deseje complementá-las, chame a atenção para

outros aspectos do contexto histórico que envolve a imagem apresentada, como por

exemplo:



A cidade gozava de um estatuto jurídico especial caracterizado pela autonomia

local e política maior que as demais cidades alemãs.

O importante, nesta atividade, é estimular, a partir da observação, a decomposição

imagética, detalhando os elementos que a constituem.

2a imagem – a ilustração integra o livro de anedotas Treatise on the Vices (Teatro dos

Vícios), publicado no século XIV em Genova, na Itália. Trata-se de uma encenação

teatral sobre a usura dos banqueiros e os vícios capitais citados na Bíblia. De autoria

atribuída a Pelegrino Cocharelli, que teria escrito o livro para educar os filhos.

Os alunos deverão destacar a atividade desempenhada na cena pelos três personagens

da direita, ou seja, a contagem de moedas, enquanto o personagem da parte inferior

esquerda guarda um saco em um baú, provavelmente repleto das mesmas moedas.

2

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

Páginas 5 - 6

1. O processo de transição do Feudalismo para o Capitalismo foi marcado pela crise do

poder dos senhores feudais e pela centralização deste poder nas mãos dos reis.

Contínuo e variável geocronologicamente, esse processo culminou na formação das

entidades que hoje são designadas Estados-Nação. O aumento populacional, o

desenvolvimento da agricultura e a intensificação e organização das trocas

comerciais estão na base dessas mudanças, que também exerceram grande influência

nas novas organizações espaciais e nos modos de vida das pessoas.

2. Ver a resposta à questão 1, da página 3 do Caderno do Aluno no início do Gabarito.

3. O crescente movimento de mercadorias fez com que aumentasse o consumo de

diversos produtos entre a população, o que levou ao surgimento das feiras, locais de

compra e venda de mercadorias. Nesses locais a atividade comercial era intensa,

estimulava a circulação de moedas e atraía muitos comerciantes e compradores. As

feiras surgiam em locais estratégicos, onde se cruzavam as rotas de comércio, como a

feira da Champagne, na França, e a de Flandres, região norte da Bélgica, e

favoreciam o crescimento das cidades.

Páginas 6 - 8

a) Liga que reunia diversas cidades mercantis do Norte da Europa e controlava as

comunicações e o comércio entre os mares do Norte e Báltico.

b) Desenvolvimento de novas técnicas aplicadas à agricultura, crescimento

demográfico, cruzadas, comércio com o Oriente.

c) Com o desenvolvimento técnico da agricultura, a produção agrícola demandava

um número menor de pessoas. Assim, parte da população se dirigia para as cidades,

libertando-se do jugo senhorial.

2. As relações feudais representavam um grande empecilho ao desenvolvimento do

comércio, sobretudo pelas frequentes intervenções dos senhores feudais na política

3

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

comercial em nível local. Eram comuns cobranças de impostos e imposição de regras

que variavam de uma localidade para outra, em virtude da grande descentralização

do poder político no mundo feudal. Nesse contexto, a centralização do poder nas

mãos do monarca atendia aos interesses dos comerciantes (que tinham na monarquia

a concentração dos poderes) e dos próprios monarcas (que limitavam, com isso, a

atuação da Igreja e da nobreza).

3. Alternativa c.

4. Alternativa d.

4

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2

EXPANSÃO EUROPEIA NOS SÉCULOS XV E XVI:
CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS, POLÍTICAS, CULTURAIS E
RELIGIOSAS

Páginas 9 - 11

1. Caso considere pertinente, acompanhe a leitura do primeiro mapa, ajudando os alunos

na identificação dos elementos míticos que, eventualmente, sejam desconhecidos por

eles. Uma estratégia interessante pode ser indagar os significados de tais símbolos

para a época a que pertence o mapa.

a) O primeiro mapa, de 1493, representa o mundo então conhecido, ladeado por

monstros que povoavam o imaginário dos seres humanos daquele período e guardado

pelos três filhos de Noé (pensava-se que o mundo era dividido entre os três). O

movimento dos ventos é representado por rostos soprando, mostrando a sua direção.

Trata-se de uma combinação de referenciais ptolomaicos e bíblicos. O segundo mapa

representa o mundo contemporâneo, geograficamente delimitado, sem as concepções

fabulosas do anterior, resultado de um conhecimento e de um domínio maiores a

respeito dos espaços terrestres, sendo esta a principal motivação das diferenças

apresentadas.

b) O mapa contemporâneo representa a organização política da atualidade.

2. O caminho terrestre para o Oriente, ou seja, para a Índia, como assim designavam os

europeus, fonte de riquezas, artigos de luxo e especiarias, estava dominado pelos

árabes e italianos. A busca de um caminho alternativo, pelo mar, pode ser entendida

como a base do expansionismo marítimo português.

3. As especiarias eram ervas ou partes de plantas trazidas do Oriente pelos europeus

(canela, cravo, pimenta-do-reino etc.). Em virtude de suas propriedades aromáticas,

eram utilizadas no preparo e na conservação de diferentes alimentos da culinária

europeia e seu comércio constituiu-se em uma importante fonte de riquezas, advindo

daí sua grande valorização.

4. As Monarquias Nacionais detentoras de grandes poderes, suas alianças com a

nobreza e com a burguesia e os investimentos financeiros desta última estiveram na

base das organizações e financiamentos das expedições marítimas. Estas garantiam

5

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

vantagens para cada um desses grupos. A Igreja Católica, envolta na crise provocada

pela Reforma Protestante, objetivava a conquista de novos fiéis pelo mundo e, por

isso, também incentivava tais expedições. A situação de pobreza e superpopulação

europeia, a Guerra dos Cem Anos, a Peste Negra e as constantes epidemias,

certamente também colaboraram para que muitos se aventurassem pelo mar em

busca de uma vida melhor.

Páginas 12 - 13

1. As palavras apontadas pelos alunos poderão diferir. Com o intuito de propiciar uma

ampla compreensão do texto, verifique quais foram destacadas e comente-as em

grupo. É interessante, neste momento da aula, ter em classe um dicionário para tirar

eventuais dúvidas que possam surgir. Essa prática deve ser incentivada, em vez de

simplesmente procurar dirimir as dúvidas dos alunos. Dessa forma, você pode

trabalhar o significado que mais bem se adapta ao contexto, orientando os alunos a

fazer o mesmo como prática recorrente.

2. A compreensão dos alunos deve considerar orientações gerais para cada uma das

oitavas. Para a primeira, coragem, desafio e espírito empreendedor; para a segunda, a

grandiosidade dos reis e a civilização que, entendia-se, levavam para povos da África

e da Ásia; para a terceira, a força dos exércitos; e, para a quarta, a benevolência da

Providência Divina para os grandes feitos e as riquezas da Índia.

3. O aluno deve ser orientado a elaborar um texto que seja a síntese dos conteúdos

estudados nesta Situação de Aprendizagem e que, ao mesmo tempo, privilegie a

análise dos elementos constitutivos do expansionismo.

Páginas 13 - 14

1. O Oriente fora, desde a Antiguidade, objeto de fascínio para os ocidentais, que a ele

sempre associaram mistérios e exotismos, em grande parte pelo desconhecimento a

seu respeito. Nesse contexto, o fascínio era animado pela enorme quantidade de

6

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

produtos "luxuosos e exóticos" vindos do Oriente e pelo interesse que despertavam

nos europeus. Marco Polo e suas aventuras no Oriente avivavam os estereótipos

dessa região em livro de grande sucesso.

2. Com a realização das viagens, os medos imaginários deixaram de existir, o que teria

diminuído a “sensibilidade” dos portugueses.

Páginas 14 - 16

1. Resposta para as questões (a), (b) e (c).

O poema trata da própria história de Portugal, destacando nessas passagens o período

da expansão europeia nos séculos XV e XVI, e os motivos que levaram às viagens

ultramarinas. Para Fernando Pessoa, o pioneirismo português reflete a bravura desse

povo. Por fim, o aluno deve emitir sua opinião a respeito.

2. Alternativa a.

3. Alternativa b.

7

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3

SOCIEDADES AFRICANAS DA REGIÃO SUBSAARIANA ATÉ O
SÉCULO XV

Páginas 16 - 18

1. A designação África Subsaariana refere-se aos 48 países situados geograficamente ao

sul do Deserto do Saara: África do Sul, Angola, Benin, Botsuana, Burkina Fasso,

Burundi, Cabo Verde, Camarões, Chade, Congo, Costa do Marfim, Djibuti, Eritreia,

Etiópia, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Ilhas

Comores, Lesoto, Libéria, Madagáscar, Malaui, Mali, Ilhas Maurício, Mauritânia,

Moçambique, Namíbia, Níger, Nigéria, Quênia, República Centro-Africana,

República Democrática do Congo, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Serra

Leoa, Seychelles, Somália, Suazilândia, Sudão, Tanzânia, Togo, Uganda, Zâmbia e

Zimbábue.

2. É importante que os alunos observem que a África não era um continente uno, que

havia diferenças entre os habitantes das diferentes regiões. Também é importante

ressaltar que a divisão atual do continente foi concluída no século XX, quando da

divisão do território africano entre as principais potências europeias, fato que não

levou em conta suas especificidades culturais. Consulte o livro A África na sala de

aula, de Leila Maria Gonçalvez Hernandez, que integra a bibliografia de referência

de avaliações da SEE/SP e que tem alguns mapas sobre a organização espacial e

política do continente.

Página 23

Esse espanto advinha, sobretudo,

africanas não eram tão desenvolvidas quanto as europeias. A Civilização Africana,

entretanto, dava-se de um modo diferente do estabelecido pelos padrões europeus

(com uma estrutura estatal organizada, em moldes africanos), evidenciando a

necessidade de relativizar o conceito de "civilização".

da visão eurocêntrica de que as sociedades

8

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

Páginas 23 - 26

1. Essa frase problematiza a visão preconceituosa criada pelos europeus sobre a África

e os africanos, e como isso fortaleceu o estabelecimento de perspectivas

preconceituosas sobre esse continente. Ela representa a ideia de uma África criada

geográfica e culturalmente estereotipada, vista como uma realidade geográfica e

social única.

2. Alternativa c.

3. Alternativa d.

4. Alternativa a.

9

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4

A VIDA NA AMÉRICA ANTES DA CONQUISTA EUROPEIA: AS
SOCIEDADES MAIA, INCA E ASTECA

Página 27

É importante que, em suas respostas, os alunos procurem contemplar de modo amplo

aspectos sociais e culturais dos povos que viviam nas Américas antes da conquista

europeia. Estimule a realização de pesquisas, a fim de expandir, nesse momento inicial,

o repertório dos alunos. É importante que eles identifiquem que são os

colombianos e qual sua localização geográfica.

povos pré-

Páginas 27 - 29

A pesquisa em grupo visa o aprofundamento temático a respeito das culturas pré-

colombianas. Divida os alunos em grupos da forma que considerar mais conveniente e

atribua a cada um deles uma das sociedades que são objeto desta Situação de

Aprendizagem. No Caderno do Aluno encontram-se tópicos de pesquisa que podem ser

complementados por você. Incentive a consulta a múltiplas fontes e a elaboração de

sínteses autorais.

Página 30

Para a realização desta atividade, é muito importante que os alunos tenham feito o

registro de suas pesquisas, que deverão ser apresentadas à classe pelos colegas. No

Caderno do Aluno há espaços destinados a esse registro. É importante chamar a atenção

dos alunos para esse momento do registro. Em casa, eles deverão apontar semelhanças e

diferenças em relação às culturas pré-colombianas de acordo com a escolha de um dos

aspectos pesquisados por todos.

10

GABARITO

Caderno do Aluno

História – 1a série – Volume 4

Páginas 30 - 31

1. A diferentes fatores, como doenças transmitidas pelos conquistadores, suicídios,

abortos, e, sobretudo, à violência e aos assassinatos cometidos pelos espanhóis

durante as "Guerras de Conquistas".

2. Alternativa d.

3. Alternativa b.
via: 100 Repetentes