Geografia - vol 4 - 3º ano


Caderno do Aluno
ensino médio 3º série
Geografia


SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1

OS FLUXOS MATERIAIS

Para começo de conversa

Página 3

1. Nesta questão, os alunos devem apresentar como argumentos: a ampliação da

capacidade de carga dos navios, responsável por facilitar o transporte e baratear

custos; a modernização nas formas de armazenamento para transportes com o uso de

contêineres, o que evita perdas; e o aumento da velocidade, devido ao avanço

tecnológico em aviões e navios, o que diminui o tempo de distribuição das

mercadorias.

2.

a) Soja: 1-4-5.

b) Aço para exportação: 1-4.

c) Petróleo: 1-2-5.

d) Peças de computador: 3-5.

e) Alimentos industrializados: 5.

Páginas 4 - 5

1. Espera-se que os alunos percebam que: os fluxos materiais são aqueles representados

por objetos que possuem materialidade e volume e, portanto, compõem uma imensa

variedade de sistemas de infraestrutura e de mercadorias – por exemplo, produtos

agrícolas, minerais e industrializados –; e os fluxos imateriais são aqueles

disseminados pelos meios de comunicação e informação, como a internet – por

exemplo, redes sociais (Orkut, facebook etc.) e lojas virtuais –, a comunicação via

satélite e a telefonia, e que influem em nossas vidas e alteram a nossa economia, mas

que não são palpáveis e, portanto, não têm materialidade.

2. Como o próprio texto destaca, na atualidade, há uma relação de interdependência entre

os fluxos materiais e os imateriais. Se, por um lado, toda a infraestrutura dos setores de

comunicação e informação compõe-se de uma base material – formada por satélites,

1

GABARITO

fiações, cabos submarinos etc. –, por outro, o que eles tornam disponível resulta em

fluxos imateriais que são utilizados pelas mesmas empresas responsáveis por fabricar

todas essas tecnologias. É possível destacar também que os fluxos imateriais são

importantes meios de comercialização de fluxos materiais (comércio online).

3. Alguns exemplos são: a rede bancária funciona interconectada e há uma infindável

diversidade de transações econômicas realizadas por essa instituição. Além disso, as

bolsas de valores do mundo inteiro operam em conexão e influem na economia dos

mais diferentes países. Também todo o setor do e-commerce só existe porque está

disponível online. Esses são exemplos econômicos. Porém, há uma variedade de

transações que ocorrem pela via do fluxo imaterial que não podem ser consideradas

econômicas, mas, sim, culturais. Esse é o caso dos contatos por e-mails, das relações

que se estabelecem no Orkut e em diferentes redes sociais, das transações de músicas

em mp3, de filmes no YouTube etc.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Páginas 5 - 9

1. Espera-se que os alunos destaquem os seguintes pontos:

Habilidades humanas: saber-fazer.



Técnica – origem grega (tekhné): capacidade de atuar na vida social, nos seus



mais diferentes aspectos; sustentação material da vida; produção.



Relações sociais: atividades artísticas, culturais ou esportivas. São elementos

componentes e constituintes das sociedades.



Na história (as técnicas antecederam as ciências): constituem-se em objetos tudo

o que é concebido pelo ser humano para ter uma função – toda coisa material que

pode ser apreendida pelos sentidos. Os objetos são técnicos.



Espaço geográfico: constituído de objetos técnicos (ex.: estrada, indústria etc.)

construídos sobre a base física.



Espaço relativo (opõe-se à ideia de espaço absoluto): espaço relativo não é um

vazio ou extensão a ser preenchida, é tido como concreto, onde a matéria está sempre

presente – mesmo que só na forma de energia – e em constante mutação. Ideia de que

o espaço está em expansão → leis variam conforme a relação entre as coisas

materiais que o constituem → interação.

2

GABARITO

Espaço relativo (Geografia): objetos técnicos introduzidos no espaço geográfico



passam a constituí-lo e não apenas a ocupar lugares (ex.: usina hidrelétrica numa área

qualquer de um espaço muda as relações existentes entre todos os objetos que o

compunham anteriormente; o espaço geográfico dessa área contém uma usina

hidrelétrica e todas as modificações ocasionadas por ela).



Meio técnico-científico-informacional → tecnologia (junção das palavras gregas

tekhné e logos): pensamento organizado sobre as técnicas. Hoje a tecnologia remete a

eletrônica, informática, satélites, robôs e outras coisas do gênero. Para Ruy Gama, a

tecnologia é a sistematização científica dos conhecimentos relacionados às técnicas =

pesquisa científica sistematizada.

Em síntese: técnicas = saber-fazer aprendido na prática e transmitido de geração



em geração. Tecnologia = saber vinculado à ciência moderna.

Espaço geográfico → meio técnico: objetos técnicos, produtos da técnica e das



tecnologias modernas. O predomínio de um sobre o outro explica as diferenças regionais.

Século XXI → o planeta pode ser apreendido de forma simultânea →



conhecimento do conjunto dos recursos naturais e das transformações em todos os

territórios = espaço geográfico recebe cada vez mais objetos tecnológicos,

organizados como sistemas articulados e dependentes entre si.



Sistema tecnológico de telecomunicações: baseado num conjunto complexo de

aparelhos e instalações (satélites, cabos marítimos e terrestres, torres de transmissão

etc.) → conhecimento global do planeta = chaves do fim do século.



Globalização: transnacionalização de setores hegemônicos da economia e dos

territórios (espaços globalizados) + aumento da escala geográfica das relações humanas.

Meio técnico-científico (generalizado após a 2a Guerra Mundial): empresas



transnacionais e países → valores maciços de capital investidos na pesquisa

científica (ex.: conhecimento das fontes de matérias-primas, controle das

informações, comunicações e transportes etc.). Característica básica desses espaços:

articulação de pontos territoriais das empresas localizadas em outros extremos do

planeta. Emissão e recepção de informações estratégicas de todos os tipos

(científicas, financeiras, políticas etc.). Milton Santos identificou esses espaços como

o meio técnico-científico informacional: espaço transformado num grande sistema

técnico com alto teor de ciência e informação → sensação de que o espaço estaria

“diminuindo” = velocidades para percorrê-lo e travar relações → instantaneidade =

tirania da rapidez = acessíveis a poucos → fonte de poder e dominação.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

3

GABARITO

2. Espera-se que os alunos apresentem os objetos técnicos como tudo o que foi

produzido pelas sociedades com o intuito de produzir bens materiais e sociais

(ferramentas simples, técnicas de plantio repassadas de geração em geração ou ainda

bens culturais e esportivos). Quanto aos objetos tecnológicos, devem considerar

todos os que resultam de uma sistematização científica e que na atualidade são

constituídos por redes de comunicação e informação, aparelhos de ressonância

magnética e tomografia; internet; transmissões televisivas; conjunto de aparatos de

alta tecnologia ligados à informática etc.

3. Como argumento para essa questão os alunos devem apresentar a constante

aceleração do tempo resultante da disseminação de objetos tecnológicos e da

instantaneidade dos sistemas de informação e comunicação.

4. Os alunos podem destacar que os meios para atuar com maior rapidez e velocidade

nas relações socioeconômicas são acessíveis a poucos, sendo, portanto, fonte de

poder e dominação.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Páginas 10 - 12

1. Há uma gama de exemplos e, portanto, você pode conduzir a discussão organizando

os resultados, na lousa, os quais compõem partes dos fluxos apresentados na tabela.

Fluxos
materiais

Fluxos
imateriais

Sistemas Técnicos e Tecnológicos

Espera-se que novos exemplos de fluxos materiais sejam lembrados, tais

como portos, aeroportos, estradas ou toda a variedade de sistemas modais

responsáveis por captação, transporte e distribuição das mercadorias. Além

disso, poderá ser citada uma infinidade de produtos e objetos que formam o

conjunto de bens comprados e vendidos pelos mais diferentes países.

Quanto aos fluxos imateriais, espera-se que sejam citadas todas as formas

de transações econômicas e sociais resultantes do uso da internet e que

compõem a base imaterial da vida social. Nesse sentido, poderão ser

relacionados o compartilhamento de arquivos digitalizados, as redes sociais

informacionais, as transações financeiras e a disseminação das informações

por meios televisivos.

4

GABARITO

2. Em 1948, foram exportados apenas 59 bilhões de dólares em mercadorias, mas, em

1963, passamos a contar com 157 bilhões, representando um crescimento de quase

três vezes. O crescimento das exportações continuou acelerado com o aumento das

exportações em cerca de três vezes e meia em 1973, mantendo esse índice de

crescimento até 1983. A partir dos anos 1980, o crescimento das exportações

duplicou a cada década, chegando, em 2003, a 7,3 trilhões de dólares movimentados.

As quantidades exportadas, em 1948, foram multiplicadas por cerca de 230 vezes no

período (1948-2007).

3.

a) De acordo com os dados, os alunos devem indicar que a maior participação no

total mundial de exportações de mercadorias é da Europa (42,4%), Ásia e Oceania

(27,9%) e América do Norte (13,6%). A soma dessas regiões corresponde a 83,9%

do total das exportações mundiais.

b) De acordo com os dados da tabela, os alunos devem indicar que o maior

aumento percentual das exportações mundiais entre 1993 e 2007 ocorreu nas

seguintes regiões: Comunidade dos Estados Independentes (+2,2%); Oriente Médio

(+2,1%); Ásia e Oceania (1,8%); Américas do Sul e Central (+0,7%); África

(+0,6%). Na América do Norte houve decréscimo de –4,4% e na Europa o

decréscimo foi de –3%;

c) Os alunos podem estabelecer a correspondência entre os dados apresentados na

tabela e a superfície dos círculos e a espessura das setas contidas no mapa, ou seja, as

duas linguagens conduzem ao mesmo resultado ao expressarem de maneiras

diferentes a maior participação de algumas regiões do mundo no comércio ou fluxo

internacional de mercadorias. A expectativa é a de que eles reconheçam a

correspondência entre os dados apresentados no mapa e parte daqueles da tabela.

Além disso, com base nos dados da tabela e no mapa, os alunos devem chegar às

seguintes conclusões:



A Europa apresenta maior participação no total mundial das exportações porque

reúne o conjunto de países da União Europeia (27 países) com livre circulação de

mercadorias. Como é possível observar no mapa, essa é a região com maior

participação de comércio intrarregional dentre as regiões apresentadas.



Dentre as regiões com o maior aumento percentual das exportações mundiais

entre 1993 e 2007, a Comunidade dos Estados Independentes (+2,2%), o Oriente

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

5

GABARITO

Médio (+2,1%), as Américas do Sul e Central (+0,7%) e a África (+0,6%) têm em

suas pautas de exportações produtos primários tanto agrícolas quanto minerais.

Sugerimos também que seja analisado o modelo de plataformas de exportação



implementado em alguns países da Ásia, conhecidos como “Tigres Asiáticos”, e

também na China, e que tem como fundamento a produção de bens de consumo para

a exportação, o que explica a intensidade das relações comerciais da Ásia com o

resto do mundo conforme se verifica no mapa.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Página 13

Espera-se que os alunos percebam que a maior parte de produtos agrícolas com baixo

valor agregado é transportada a granel, o que em muitos casos tem como consequência

grande perda de parte da carga. Já produtos com maior valor agregado são acondicionados

em contêineres, o que permite colocar e transportar o material em caixas metálicas,

resultando em vários benefícios, como: impedir que não haja rupturas no processo de

transporte; facilitar e agilizar o embarque, o desembarque e o transbordo dos produtos; e

diminuir as possibilidades de acidentes e de perda das mercadorias desde as fábricas onde

são produzidas até os estabelecimentos comerciais onde serão vendidas.

Página 14

a) Vistos em conjunto, os dois enunciados requerem dos alunos a articulação dos

conteúdos desenvolvidos, para a qual eles podem estruturar a argumentação com o

objetivo de destacar as cidades globais. Desse modo, atendendo ao primeiro

enunciado, espera-se que ressaltem como a rede mundial de computadores, a

internet, facilita a integração econômica global. Isso porque permite a conectividade

entre bolsas de valores e mercados financeiros, empresas de diversos setores

econômicos, organizações governamentais multilaterais e não governamentais, além

de pessoas de diferentes lugares. Poderão ainda salientar que os computadores

viabilizam não apenas a aceleração do fluxo de informações, mas também facilitam o

controle à distância dos negócios, tornando a rede mundial de telecomunicações uma

“ferramenta” essencial na integração dos vários lugares do mundo.

6

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

b) Como em outras ocasiões deste Caderno, para responder ao segundo enunciado os

alunos poderão salientar que os lugares mais integrados às redes mundiais de fluxos

são aqueles mais densos em termos de “objetos técnicos”, que apresentam melhores

infraestruturas de produção, transportes e telecomunicações. Espera-se, portanto, que

eles destaquem o caso das cidades globais, em contraste com outros lugares do

mundo, onde há muita dificuldade quanto a serem integrados aos fluxos materiais e

imateriais que acompanham o atual período técnico-científico-informacional. A

expectativa é que identifiquem como as cidades globais estão localizadas

principalmente nos países desenvolvidos, o que reflete a afirmação do enunciado.

Páginas 14 - 15

1. Alternativa a. Pode ser afirmado que, sem dúvida, os novos aportes tecnológicos que

adentram os espaços provocam uma aceleração das relações de ordem econômica e

também da mobilidade das pessoas. Mas isso não permite ainda todas as integrações

e regularizações nos mercados de trabalho.

2.

a) Em virtude da liderança na atual revolução técnico-científica, o Japão e,

principalmente, os Estados Unidos devem ser indicados como os dois centros

hegemônicos da atual economia informacional. Os alunos poderão justificar essa

escolha diante do mapa sobre os fluxos do comércio internacional analisado na

Situação de Aprendizagem, como também considerando que esses dois países são os

que mais investem em pesquisa e desenvolvimento, além de se apresentarem como

sede de grande parte das maiores corporações transnacionais.

b) Levando-se na devida conta que os alunos estudaram a África e, em particular, a

África Subsaariana, no volume 3 da 3a série do Ensino Médio, o enunciado da

questão permite resgatar conhecimentos desenvolvidos. Ademais, diante dos novos

conteúdos estudados neste 4o bimestre, poderão redimensionar entendimento e

aprendizagem anteriores, considerando, por exemplo, que a África Subsaariana é a

porção mais marginalizada do espaço geográfico mundial, mantida praticamente

excluída das redes por meio das quais circulam crescentes fluxos de capitais,

mercadorias, pessoas e informações. Numa palavra, a expectativa é que apliquem os

7

GABARITO

conteúdos desenvolvidos nesta Situação de Aprendizagem, para ampliar o

entendimento sobre assunto estudado. Desse modo, também poderão explicar que o

aspecto identificado mantém relações com o baixo grau de desenvolvimento dos

países e com o também baixo poder aquisitivo das populações dessa extensa região,

além da carência de infraestrutura ou de “objetos técnicos” (terminologia do

geógrafo Milton Santos). De maneira complementar, poderão apontar as guerras

civis e os conflitos étnicos que agravam a situação dos países e das populações dessa

porção do globo, o que também contribui para a destruição da precária infraestrutura

e para afugentar ainda mais possíveis investimentos estrangeiros.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

8

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2

FLUXOS DE IDEIAS E INFORMAÇÃO

Para começo de conversa

Página 16

Espera-se que os alunos definam sociedade da informação como aquela que exprime as

diferentes formas de acesso dos grupos sociais, através da tecnologia, às mais variadas

informações e produtos. Como impactos representativos de sua influência na cultura e na

economia podem ser citadas as transmissões via satélite de eventos culturais e esportivos,

que em tempo real mostram de forma simultânea a todas as partes do mundo eventos que

ocorrem em determinada região do planeta, além da facilidade de acesso a bens e serviços

das mais diferentes partes do mundo, formando um mercado global.

É interessante destacar com os alunos que essa sociedade da informação produz uma

nova modalidade de lixo, o lixo tecnológico, representado na ilustração pelo lixo

espacial.

Leitura e Análise de Texto e Gráfico

Páginas 17 - 19

1.

a) Esta questão tem como objetivo levar os alunos a perceber a influência dos

fluxos imateriais em suas vidas. Assim como as alterações resultantes dos avanços

tecnológicos nos setores da eletrônica provocaram grandes mudanças, espera-se que

os exemplos sejam vinculados às modificações acarretadas pela telefonia móvel e

pelas diferentes transações por meio da internet.

b) Alternativa a. Esta é a única alternativa que ressalta a desigual distribuição dos

objetos técnicos no mundo expressa na frase do ex-presidente sul-africano.

2. Alternativa d. Embora corresponda a um avanço extraordinário para a humanidade,

há uma distribuição desigual no desenvolvimento e no acesso às inovações

tecnológicas ligadas à informática, por exemplo. Isso acrescenta um elemento a mais

de desigualdades entre os povos.

9

GABARITO

3. Espera-se que os alunos ratifiquem a situação de exclusão vivida pela população da

África em relação às diferentes formas de acessibilidade tecnológica. Nesse sentido,

a África encontra-se à margem dos processos de inclusão telefônica e digital,

exemplificando de forma contundente a expressão “tirania da rapidez”, ou seja, os

meios para atuar com maior rapidez e velocidade nas relações socioeconômicas da

atualidade são acessíveis a poucos, sendo, portanto, fonte de poder e dominação.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Páginas 20 - 21

1. A leitura do texto permite aos alunos destacar a grande abrangência das lan houses,

pois elas são responsáveis por 49% dos acessos à internet no Brasil, substituindo

dessa forma o poder público e tornando-se as principais responsáveis pela inclusão

digital no Brasil. Eles também podem abordar um dado importante, o fato de que os

acessos se encontram associados ao envio de e-mails, currículos, atividades

escolares. Quanto ao uso das redes sociais, elas prestam um serviço importante, ao

contribuir para o encontro de pessoas e parentes distantes, assim como para facilitar,

a um custo mais acessível, a aproximação daqueles que vivem afastados por

residirem em regiões distantes umas das outras.

2. Aqui vão ser discutidas pelos alunos as diferentes formas de integração criadas pelas

tecnologias informacionais, mas eles também devem apresentar algumas distorções

resultantes do uso dessas mesmas tecnologias. Uma das grandes preocupações

sociais da atualidade é saber quais consequências a difusão do ciberespaço provoca

na vida das pessoas. Se, por um lado, as formas de contato e comunicação se

ampliam, por outro, a possibilidade que um indivíduo tem de se manter incógnito faz

com que deixemos de ser pessoas para nos tornarmos mensagens eletrônicas que

invadem computadores alheios, sem que haja o consentimento de quem nos recebe.

Nesse sentido, quando se analisam questões relativas a processos de interação social,

opiniões divergentes aparecem de imediato. Há os que enxergam o ciberespaço como

mais uma oportunidade para o surgimento de novas formas de relacionamento, pois

comunidades de múltiplos interesses são montadas (como as do Orkut) e

multiplicam-se as salas de bate-papo – que permitem às pessoas interagir à distância,

criando laços importantes que podem até mesmo transformar-se em amizades ou

manifestar-se em outras formas de comunicação e ainda como um modo de

10

GABARITO

conseguir um emprego. Por outro lado, os “cibercontatos” podem também trazer

problemas; inúmeras situações de constrangimento individual e coletivo, como

páginas ofensivas criadas com o intuito de denegrir a imagem de alguém, muito

comuns em ambientes escolares, vídeos lançados na rede sem a permissão dos

envolvidos, assim como o uso da internet por redes criminosas, têm-se proliferado e

exigido inclusive mudanças nas legislações dos diferentes países. Além de todos

esses problemas, existe a preocupação quanto aos isolamentos sociais decorrentes do

intenso envolvimento de jovens com jogos eletrônicos, ou mesmo em razão da

prevalência dessas formas de comunicação em detrimento da convivência social mais

ampla. Certamente, há que se considerar como válidos todos os argumentos que

envolvem esse debate.

3. Espera-se que os alunos apresentem como distinção o fato de que a comunicação se

faz com informações, mas nem todas as relações comandadas pela informação

realizam plenamente a comunicação. A diferença é sutil, mas importantíssima. O

telefone é quase sempre um meio de comunicação: nele os participantes têm papel

comum. Ambos podem falar e ouvir. Por sua vez, a televisão é um meio de

informação que não realiza a comunicação por inteiro. Não há posição comum entre

o emissor e o telespectador. O emissor fala, enquanto o receptor assiste e ouve. Para

a Geografia, é de grande valor a separação entre os meios de comunicação e os meios

de informação. A comunicação seria mais afeita ao plano das horizontalidades,

enquanto os meios de informação seriam parte dos suportes das verticalidades.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Desafio!

Página 22

1. Espera-se que os alunos argumentem que a ampliação do alcance das grandes redes

mundiais de televisão pode, por um lado, facilitar o acesso à informação, que antes

demoraria muito a ser veiculada. Por outro, espera-se que eles considerem que, ao

mesmo tempo, essas redes vão transmitir apenas o seu olhar sobre os

acontecimentos, fazendo com que o telespectador tenha apenas uma visão dos fatos.

Muitas vezes, isso impossibilita que opiniões divergentes sejam explicitadas, o que

resulta em uma homogeneização da informação.

2. Espera-se que os alunos percebam que, se, por um lado, ser informado sobre o que

está ocorrendo em outras partes do mundo é fundamental para que o nosso próprio

conhecimento ou a nossa cultura sejam ampliados (ou mesmo modificados), por

11

GABARITO

outro, frequentemente, a informação que nos chega já foi manipulada por redes de

comunicação, de países cujos governos muitas vezes são protagonistas diretos de

conflitos e de pressões hegemônicas sobre povos e países excluídos desse mesmo

sistema.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Desafio!

Página 23

1. Especular neste caso significa fazer operações financeiras ou comerciais com bens

negociáveis, com a finalidade de tirar proveito da variação de preços a partir de

informações sobre esses bens que podem aumentar ou diminuir o seu valor.

2. Espera-se que os alunos identifiquem que o aprofundamento da economia

especulativa tornou-se possível, em grande parte, graças a dois conjuntos de fatores:

a) a liberalização e a desregulamentação das economias nacionais, estimuladas pelo

neoliberalismo; e b) o avanço nos últimos 20 anos das redes de fluxos imateriais que

permitiram a movimentação instantânea de dinheiro entre as bolsas de valores de

todo o mundo por intermédio das redes de computadores integradas em escala global.

3. As economias emergentes são as mais suscetíveis à fuga de capitais. Isso se explica

porque os papéis negociados nestas bolsas, aliados aos títulos emitidos por seus

governos, despertam interesse por ofertar altas taxas de rendimentos como um

atrativo aos investidores. Porém, quando apresentam fatores de risco econômico,

normalmente vinculados à fragilidade de suas contas públicas ou à vulnerabilidade

de suas economias, os grandes investidores debandam de forma uniforme, o que

abala o mercado e consequentemente afeta diretamente as reservas cambiais. Tal fato

se explica porque, ao chegarem, os investidores internacionais necessitam trocar suas

moedas estrangeiras (em geral, dólar) pela moeda local para aplicarem no país. Ao

fugirem, ocorre um descompasso das reservas cambiais, o que diminui ainda mais o

nível de estabilidade das frágeis economias emergentes.

Páginas 24 - 25

1.

a) Para atender o que é solicitado no enunciado, os alunos deverão ler, interpretar e

comparar os dois mapas fornecidos. A expectativa é que o exercício dessa habilidade

12

GABARITO

seja realizado por meio dos conceitos desenvolvidos no Caderno do Aluno e, em

particular, nesta Situação de Aprendizagem. Desse modo, a primeira semelhança que

poderão apontar refere-se à repetição dos principais centros de interligação entre as

grandes rotas marítimas e aéreas, que, na maior parte, correspondem às áreas de maior

expressão econômica do mundo, entre as quais existem os maiores fluxos. Outra

semelhança diz respeito à concentração de fluxos na região do Atlântico Norte,

principalmente interligando os Estados Unidos à Europa Ocidental. No que tange às

diferenças, poderão considerar que as rotas marítimas são mais longas e lentas e

transportam principalmente mercadorias, enquanto as aéreas são mais rápidas e

abrangentes, porque, além do transporte de mercadorias, são voltadas, em larga escala,

para o transporte de passageiros. De maneira complementar, as grandes rotas aéreas

apresentam uma rede de fluxo mais densa e concentrada do que as rotas marítimas.

b) O enunciado permite que os alunos relacionem seus conhecimentos sobre os fluxos

materiais e imateriais da globalização, estabelecendo inter-relações entre os conteúdos

abordados nas Situações de Aprendizagem 1 e 2 deste Caderno. Nesse sentido, poderão

resgatar conhecimentos a respeito do predomínio de ocorrências de fluxos financeiros

entre os países e regiões da “tríade” do capitalismo mundial, que respondem também

pelo maior fluxo de passageiros aéreos, em virtude do custo desse transporte. Numa

visão de detalhe, poderão identificar que os principais polos econômicos de relações e

circulação de fluxos concentram-se na Califórnia e no Nordeste dos Estados Unidos, nos

principais centros financeiros da Europa Ocidental e no Japão, articulados com as

principais cidades do mundo em todos os continentes, o que expressa semelhança com a

rede de comunicação aérea. Não é desejável excluir a possibilidade de identificarem que

as economias emergentes também estão presentes na trajetória desses fluxos, como

também poderão ressaltar que a África, apesar da sua inclusão nas rotas aéreas, não

participa de maneira relevante nas financeiras.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

13

GABARITO

2. Alternativa b. A alternativa e não corresponde aos dados apresentados na Situação de

Aprendizagem, particularmente com os exemplificados e referentes à década de

1990; a alternativa d é equivocada, pois desconsidera, por exemplo, o fato de o

território brasileiro estar sob a área de cobertura de redes televisivas estrangeiras; a c

negligencia as eventuais reproduções de preconceitos e desconsidera a parcialidade

das notícias, como também os interesses políticos que concorrem na sua elaboração e

difusão (neste último caso, o mesmo se pode dizer para a alternativa a). Desse modo,

conforme o conteúdo estudado na Situação de Aprendizagem, a alternativa b é a que

melhor expressa os problemas hoje colocados pela abrangência global de grandes

redes televisivas mundiais.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

14

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3

AS CIDADES GLOBAIS

Para começo de conversa

Página 26

Espera-se que os alunos destaquem São Paulo como a grande metrópole do Brasil e,

portanto, possuidora de todo um aparato tecnológico responsável por sua conexão com

os demais centros mundiais.

Leitura e Análise de Texto, Mapa e Quadro

Páginas 27 - 31

1. Espera-se que os alunos apontem os setores bancários e as bolsas de valores, as

empresas de publicidade/marketing, as firmas de consultoria e de seguros e os

centros de pesquisa.

2. a) e b)

1998

Nova Iorque

Chicago

Los Angeles

Londres

Paris

Milão

Frankfurt

Tóquio

Hong Kong

Cingapura

Cidades Globais do Tipo Alpha

Cidade

Nova Iorque

Chicago

Los Angeles

Londres

Paris

Milão

Frankfurt

Tóquio

Hong Kong

Cingapura

Toronto

Cidade do México

Madri

Moscou

2008

País

Estados Unidos

Estados Unidos

Estados Unidos

Inglaterra

França

Itália

Alemanha

Japão

China

Cingapura

Canadá

México

Espanha

Rússia

Continente

América do Norte

América do Norte

América do Norte

Europa

Europa

Europa

Europa

Ásia

Ásia

Ásia

América do Norte

América do Norte

Europa

Europa

15

GABARITO

Caderno do Aluno

Bruxelas

Varsóvia

Zurique

Amsterdã

Dublin

Istambul

Roma

Lisboa

Estocolmo

Praga

Viena

Budapeste

Atenas

Shangai

Pequim

Seul

Mumbai

Kuala Lumpur

Jacarta

Bangcoc

Taipé

Buenos Aires

São Paulo

Caracas

Santiago

Sydney

Auckland

Bélgica

Polônia

Suíça

Holanda

Irlanda

Turquia

Itália

Portugal

Suécia

República Tcheca

Áustria

Hungria

Grécia

China

China

Coreia do Sul

Índia

Malásia

Indonésia

Tailândia

China

Argentina

Brasil

Venezuela

Chile

Austrália

Nova Zelândia

Geografia – 3a série – Volume 4

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Europa

Ásia

Ásia

Ásia

Ásia

Ásia

Ásia

Ásia

Ásia

América do Sul

América do Sul

América do Sul

América do Sul

Oceania

Oceania

c) De acordo com a tabela anterior as cidades tipo Alpha predominam na Europa (19),

seguida da Ásia (11); América do Norte (5); América do Sul (4) e Oceania (2). Como é

possível perceber ainda, as principais atividades sobre as quais cada cidade global mostra

sua força: bancos e bolsas de valores, empresas de publicidade/marketing, firmas de

consultoria e de seguros e centros de pesquisa concentram-se em cidades dos países

ricos. Porém, deve-se registrar o grande crescimento de cidades do tipo Alpha no

16

GABARITO

continente asiático, principalmente na China e na Índia, o que demonstra o

desenvolvimento dessas economias na escala mundial.

d) Não há nenhuma cidade africana considerada Alpha e, na América do Sul,

destacam-se apenas as cidades de Buenos Aires, São Paulo e Caracas. Esse fato

demonstra a menor inserção da África e de grande parte da América do Sul no

contexto da globalização.

3. Espera-se que os alunos reflitam acerca da forma como essa classificação foi elaborada

e possam concluir que é realizada a partir de dados disponibilizados por escritórios de

empresas transnacionais. Nesse sentido, essa classificação pode influir muito mais para

auxiliar na escolha de locais favoráveis a futuros empreendimentos e projetos de

expansão dessas mesmas empresas, e não propriamente em função de interesses

coletivos voltados para a melhoria das condições de vida das populações urbanas.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

LIÇÃO DE CASA

Página 31

Alternativa b. Essa alternativa define e diferencia corretamente os dois conceitos em

questão, o que não ocorre nas demais.

17

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4

O TERROR E A GUERRA GLOBAL

Para começo de conversa

Páginas 32 - 33

As imagens A e B foram atentados comandados pela rede terrorista Al-Qaeda, do

saudita Osama bin Laden. A imagem C corresponde ao atentado liderado por jovens

islâmicos adeptos da Al-Qaeda e antiocidentais. A imagem D corresponde ao atentado

coordenado pelo movimento separatista checheno.

Desafio!

Página 34

A expectativa de aprendizagem é que os alunos articulem ideias e informações

coletadas nos textos consultados e trabalhados por eles diante da proposta da Situação

de Aprendizagem 4. O propósito é levá-los a exercitar a coesão textual e o

encadeamento de argumentos diante de um tema específico. Eles poderão defender

diferentes pontos de vista, desde que resgatem informações, fatos e conceitos obtidos

durante a leitura e a elaboração das sínteses dos textos. Trata-se, portanto, de conceder

total liberdade para a defesa de uma opinião sobre o assunto, avaliando-se, acima de

tudo, a pertinência e a adequação dos argumentos e a capacidade de mobilizarem o que

leram para o exercício da habilidade da escrita e da oralidade.

Páginas 34 - 35

1. Alternativa c. A questão alia precisão conceitual com relação à definição política de

terrorismo e eventos históricos distintos com os quais os alunos travaram

conhecimento anteriormente, durante a escolarização – em particular e no caso das

aulas de Geografia, na 8a série/9o ano do Ensino Fundamental. Nessa perspectiva, a

afirmação III é equivocada, pois não leva em consideração a precisão conceitual

apresentada no texto oferecido para leitura e interpretação dos alunos, além de

18

GABARITO

associar eventos históricos distintos. No caso das afirmações I e II, os movimentos de

independência armados citados e que lutaram em prol da emancipação política

(descolonização) possuíam, entre outras finalidades, a intenção de romper os laços

políticos com as metrópoles e fundar um novo Estado. Por outro lado, como é

largamente difundido, os atentados terroristas recentes, entre os quais o episódio de

11 de setembro de 2001, não podem ser atribuídos especificamente a um Estado e, de

maneira geral, buscam chamar a atenção para determinada causa que pode ser de

cunho religioso ou político-ideológico.

2. Alternativa c. A eleição do democrata Barack Obama para a Presidência dos EUA

em 2008 mudou os fundamentos da política externa norte-americana, que busca

aproximar-se do mundo islâmico rompendo com a política unilateral e militar de seu

antecessor.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

19

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5

A GLOBALIZAÇÃO DO CRIME

Para começo de conversa

Páginas 36 - 38

1. De acordo com a Convenção de Palermo e outros acordos internacionais, os

departamentos de polícia devem agir em consonância, de modo a coibir a extensão dessas

redes. Dessa forma, firmaram acordos para extraditar traficantes e agentes do crime

internacional; desenvolver ações conjuntas para prevenir, suprimir e punir o tráfico de

pessoas, especialmente mulheres e crianças; coibir de modo eficaz o contrabando de

imigrantes por terra, ar e mar; agir em conjunto com vistas a controlar e impedir a

fabricação ilegal e o tráfico de armas de fogo, incluindo peças, acessórios e munições.

2. Ao abordar este tema, é preciso que você analise com os alunos como as redes ilegais se

interligam e de que forma atuam na desestruturação da sociedade. Vale lembrar que essa

é uma discussão necessária e pertinente tanto com relação ao funcionamento dos fluxos

da ilegalidade que atuam nas diferentes escalas geográficas quanto ao se considerar

como o narcotráfico afeta a vida em sociedade disseminando outras formas de violência.

Dada a relevância do assunto, também é importante destacar os efeitos perversos ligados

ao narcotráfico, como, entre outros, o fato de que os usuários de drogas acabam tendo

menos tempo de vida por terem a saúde debilitada em consequência do consumo e a

relação entre as atividades do narcotráfico e os altos índices de violência e de

criminalidade. Valeria ponderar com os alunos que quem acaba pagando o preço mais

alto pelo envolvimento com os fluxos de droga são os pequenos “passadores”, que têm

uma média de vida baixíssima, já que estão na ponta mais perigosa do circuito.

Página 39

O objetivo desta atividade é levar os alunos a articularem ideias e informações coletadas

nos textos consultados e trabalhados por eles diante da proposta da Situação de

Aprendizagem 5. Sugerimos ao professor atenção especial com relação aos procedimentos

20

GABARITO

de coesão textual e encadeamento de argumentos diante do tema a ser pesquisado. O

convívio com diferentes pontos de vista, e o resgate de informações, fatos e conceitos

obtidos durante a leitura e a elaboração das sínteses dos textos, é tarefa fundamental para a

fixação e ampliação da capacidade argumentativa. Trata-se, portanto, de conceder total

liberdade para a defesa de uma opinião sobre o assunto, avaliando-se, acima de tudo, a

pertinência e a adequação dos argumentos e a capacidade de mobilizarem o que leram para

o exercício da habilidade da escrita e da oralidade.

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Páginas 40 - 42

1.

a) Cocaína: América do Sul; ópio e heroína: Ásia; maconha: África, América

Central, México e Oriente Médio.

b) Europa, África do Sul, Rússia, Austrália, Nova Zelândia, Peru e Canadá.

c) Estados Unidos, Canadá, Europa, Japão, Austrália e Nova Zelândia.

2. Espera-se que os alunos identifiquem a pobreza generalizada desses países, resultado

da posição que eles ocupam na divisão internacional do trabalho, e percebam o papel

que tal situação exerce, pois ela acaba forçando parte da população ao cultivo e ao

beneficiamento das matérias-primas que darão origem às drogas (papoula, coca,

maconha etc.), já que os empregos lícitos são escassos e de baixo rendimento. Às

vezes, as ocupações ligadas às drogas apresentam-se como única opção de renda para

muitas pessoas em países desse grupo.

Além disso, nos países mais pobres, de escassos recursos financeiros, os grandes

controladores do tráfico encontram terreno fértil para influenciar os órgãos de

repressão dessas atividades (a polícia, o exército, entre outras autoridades do Estado)

a fazer “vistas grossas” para essas práticas ilegais.

3. De acordo com os dados apresentados no mapa, o fabrico de drogas de origem

química encontra-se mais disseminado pelo mundo, em virtude de elas serem

produzidas em laboratórios, o que facilita a sua instalação e a proteção contra

aparatos repressivos.

21

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Páginas 43 - 45

1. “Lavagem de dinheiro” é um processo pelo qual o dinheiro obtido por meios ilegais,

como o proveniente do narcotráfico, passa a ser legal. Para legalizar o dinheiro, os

traficantes contratam intermediários, que, por sua vez, subcontratam outras pessoas

para que realizem depósitos em suas contas de pequenas quantidades do “dinheiro

sujo”, proveniente do narcotráfico (até 10 000 dólares). Após investirem esses

recursos em outras aplicações (em ações, letras de câmbio), as pessoas

subcontratadas devolvem as tais aplicações para os intermediários, que, por sua vez,

depositarão os montantes numa conta de banco nacional ou num paraíso fiscal, lugar

onde os controles sobre os depósitos não são rigorosos.

Já o termo “paraíso fiscal” designa os lugares (muitas vezes são pequenas ilhas) em

que enormes quantias de capital financeiro são depositadas. As altas taxas de juros

pagas e a falta de controle sobre pessoas e empresas que depositam essas grandes

quantias, permitindo que recursos obtidos em atividades criminosas sejam depositados,

são algumas das vantagens oferecidas. As Ilhas Cayman, pertencentes ao Reino Unido,

e outras, situadas no Mar do Caribe, são exemplos de paraísos fiscais.

2.

a) Na América Central, distribuindo-se principalmente em sua porção insular, ou

seja, nas Antilhas.

b)

Organização criminosa

Cosa Nostra

Cartéis bolivianos do narcotráfico

Máfia siciliana, Camorra, ’Ndrangheta,
Nuova Sacra Corona Unita

Máfia russa

Yakuzas

Máfias de Hong Kong

Extensão da área de atuação

EUA, Canadá e México

Colômbia e outros países da América do Sul

Itália

Rússia e porção leste da Europa

Junto com a máfia de Hong Kong, atua no
Sudeste Asiático e no Japão

Juntamente com a Yakuza, atua no Sudeste
Asiático e no Japão

22

GABARITO

Caderno do Aluno

Geografia – 3a série – Volume 4

Páginas 46 - 47

1. Alternativa e. Com base nos conteúdos estudados na Situação de Aprendizagem 5 e

na proposta de trabalho sobre o texto de Paula Laboissière, intitulado “Diretor da PF

avalia que globalização intensifica tráfico internacional de drogas”, espera-se que os

alunos identifiquem a alternativa “e” como a incorreta, enquanto as demais são

pertinentes ao tema do enunciado da questão.

2. Alternativa d. As alternativas a, b e c não correspondem ao conteúdo do texto

fornecido para leitura e interpretação, e a alternativa e contraria a tendência atual

explicada na Situação de Aprendizagem 5. A alternativa d, por sua vez, aponta uma

das consequências da “lavagem de dinheiro”.
via: 100 Repetentes