Filosofia - vol 4 - 2º ano

Caderno do Aluno
ensino médio 2º série
Filosofia


SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1

INTRODUÇÃO À BIOÉTICA

Páginas 3 - 4

1. Espera-se que o aluno problematize a questão, que não é de fácil resposta. Em

princípio, toda sociedade em suas diferentes áreas pode e deve discutir sobre direitos

que garantam vida a todos. A vida de cada indivíduo, porem, é de sua total

responsabilidade, não podendo ser submetida a interesses alheios.

2. Resposta aberta, a depender das hipóteses do aluno, mas podem ser consideradas as

formas de participação democrática, como consultas e debate amplos, por exemplo.

A hipótese do aluno deve compreender que a decisão de cada um deve, de alguma

forma, encontrar respaldo no contexto ético, moral e legal da sociedade

Páginas 5 - 7

1. A polêmica central apresentada pelo autor diz respeito à defesa de teologia moral e

nesse contexto as questões referentes à moral sexual tornavam-se particularmente

problemáticas – como no caso da condenação do uso de preservativos feita pela

Igreja Católica.

2. Resposta aberta, a depender das representações e posicionamentos dos estudantes,

dos quais se espera que manifestem pensamento reflexivo, argumentando em defesa

de seu ponto de vista.

1

GABARITO

Caderno do Aluno

Filosofia – 2a série – Volume 4

Páginas 7 - 8

Neste exercício, o aluno vai consultar livros e sites pertinentes ao assunto sugerido,

tomando por base as referências dos autores citados, e redigir uma síntese das principais

polêmicas encontradas na pesquisa.

Página 8

• Depois que o aluno registrar suas descobertas da pesquisa anterior e destacar uma

entre elas que considere mais interessante, incentive não apenas a realização da

investigação sobre esse importante tema da atualidade, mas oriente o registro e a

justificativa do destaque.

Páginas 9 - 10

1. Ressalte a importância da reflexão sobre o fato de que esses programas nazistas

tiveram a participação de médicos e juristas tanto no planejamento como na

execução. Com isso, eles pretendiam garantir a “legitimidade” científica e moral das

ações do Estado totalitário, sem qualquer consideração pela opinião das pessoas que

seriam submetidas à esterilização . Além disso, essas ações envolviam recursos

públicos destinados à pesquisa científica, entre as quais aquelas que consistiam em

provocar doença no indivíduo para que pudesse ser investigada.

2. Alternativa a.

3. Alternativa e.

2

GABARITO

Caderno do Aluno

Filosofia – 2a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2

A TÉCNICA

Páginas 11 - 12

1. Os instrumentos como garfo, computador e carro são invenções humanas. O homem

é o criador de culturas e de seus instrumentos, por isso ele não se constitui natural e

culturalmente como instrumento, mas como criador dos mesmos para seu benefício.

2. A principal consequência é a dominação de uns sobre os outros. O instrumento é

usado pelos homens e, se outro ser humano torna-se instrumento, é sinal de que é

dominado pelo outro.

Página 12

Os alunos devem ser orientados a buscar notícias relativas à dominação de alguns

seres humanos por outros. Exemplos dessa prática são o trabalho escravo ou a

exploração de qualquer natureza do homem pelo homem.

Páginas 13 - 15

1. Resposta aberta, a depender das hipóteses do aluno. Pode-se estimular a reflexão

com questionamentos baseados nessas leituras. Para tanto, a retomada das mesmas é

fundamental.

2. Trata-se de desafio prático, cujos exemplos são apresentados nos Cadernos do

Professor e do Aluno, e pode-se planejar uma ação com apoio da escola, da

coordenação pedagógica ou de outros professores. O mais importante é apoiar o

aluno em uma experiência prática sob o ponto de vista das questões analisadas com

base nas leituras.

3

GABARITO

Caderno do Aluno

Filosofia – 2a série – Volume 4

Página 15

1. Resposta aberta, a depender das elaborações do aluno, porém é importante a

retomada dos textos e mesmo do desafio prático sugerido para que se identifiquem os

aprendizados. Feito isso, o aluno deve ter condições de analisar as consequências da

perspectiva de instrumentalização que leva à dominação de alguns pelos outros.

A razão instrumental refere-se ao processo de conhecimento cuja intenção é a

dominação do mundo. Por meio da razão instrumental, o conhecimento e a técnica

assumem objetivos de controle e dominação.

2. Segundo Heidegger, a essência humana consiste em perguntar pelo ser, desvelar o

ser, indo além da aparência e compreendendo as relações deste ser com o mundo.

4

GABARITO

Caderno do Aluno

Filosofia – 2a série – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3

A CONDIÇÃO HUMANA E A BANALIDADE DO MAL

Página 16

• Resposta aberta, a depender das hipóteses dos alunos, mas deve-se chamar a atenção

dos alunos para a ideia de que os seres humanos não se reduzem às suas necessidades

materiais.

Páginas 17 - 19

1. O labor na sociedade moderna apresenta limites ao agir quando, em nossa relação

com o outro, nós nos comportamos como se ele fosse um objeto para nos servir.

2. As releituras sempre permitem a identificação dos ensinamentos, mas uma ideia é

fundamental: nem todas as práticas ou ações humanas são voltadas para o que autora

chama de agir, que é processo de construção da felicidade de todos.

Páginas 19 - 20

Oriente e incentive os alunos para que eles retomem as leituras e façam uma

reflexão levando em conta as suas explanações e também as experiências cotidianas em

termos da banalização do mal apresentada pela autora, Hannah Arendt.

5

GABARITO

Caderno do Aluno

Filosofia – 2a série – Volume 4

Páginas 20 - 21

A elaboração deste cartaz exige leitura atenta dos símbolos apresentados e

levantamento de informações sobre a sociedade brasileira atual. Este levantamento pode

ter como fonte a leitura de jornais ou registros do noticiário nos telejornais. A internet,

quando possível, também é veículo importante.

Página 21

Essa pesquisa pode revelar o quanto o aluno compreendeu sobre o labor, trabalho e

ação e como ele relaciona esses conceitos no contexto da realidade cotidiana atual.

Páginas 22 - 23

1. O homem e seus atos passam a ser entendidos como alguma coisa automática, “como

se a vida individual realmente houvesse sido afogada no processo vital da espécie”.

No limite, a condição humana é confundida com a natureza humana.

2. A “banalidade do mal” é uma expressão associada à crítica de Hannah Arendt à

ausência de reflexão que leva à reprodução de ações violentas. Podem-se utilizar o

exemplo dos nazistas e, também,os exemplos da sociedade atual.

3. Alternativa b.

4. Alternativas (a), (b) e (c).

5. Alternativas (a), (b) e (d).
via: 100 Repetentes